Acredite se Puder

Automovel Chevrolet

anúncio da Gazeta do Commercio de julho de 1917 trazia uma novidade e tanto para aquela época: um automóvel Chevrolet – a marca que tinha cumprido a façanha de viajar de Joinville a Curitiba em pouco mais de dez horas (veja em História ao Vivo). Pode-se imaginar o fascínio provocado pela ilustração do carrinho ocupando o centro da peça, que usava um jogo de palavras para propagandeá-lo ao mesmo tempo como “o melhor dos automóveis baratos” e “o mais barato dos automóveis melhores”.

 

Gazeta do Commercio   21/07/1917

 

As características do veículo são parte da propaganda: motor “4 cylindros”, de 20 a 25 “cavallos” de potência, carburador Zenith, três velocidades diferentes e “valvulas na cabeça” – sabe-se lá quantos leitores daqueles dias podiam entender o que isso significava.

 

O Chevrolet vinha com indicador “das distancias e da velocidade”, luz elétrica “constante com duas intensidades”, acomodava cinco pessoas, pesava “apenas 780 kilos” e, dizia o anúncio, “gasta pouca gazolina”.

 

Modelo 490

 

O anúncio da Gazeta não dizia, mas tratava-se do Modelo 490 da Chevrolet, o automóvel que impulsionou definitivamente a empresa norte-americana. Lançado em 1915, ele foi pensado para concorrer com o maior sucesso automotivo da época, o Modelo T da Ford, que revolucionou a indústria automobilística mundial.

 

Fonte: General Motors   Chevrolet 490 na estradaEssa foto da General Motors mostra um Modelo 490 na estrada, no final da década de 10 do século passado.

 

O Chevrolet 490 recebeu esse nome em alusão ao preço de lançamento: 490 dólares, cinco dólares abaixo do Ford T. Em duas semanas, a montadora tinha recebido mais de 46 mil encomendas do veículo (e com depósitos de dinheiro em garantia), mas só conseguiria atender a pouco mais de 13 mil no primeiro ano.

 

O chefe da Chevrolet na época, Billy Durant, dizia que “até uma criança podia vendê-lo” e para atender a demanda comprou uma fábrica adicional e terceirizou a produção do Modelo 490 em outras três linhas de montagem, totalizando cinco.

 

Em 1917, a produção do Modelo 490 já tinha colocado a empresa em quarto lugar entre as montadoras nos Estados Unidos. Dois anos depois, a Chevrolet venderia 127 mil unidades do carrinho, tornando-se a vice-líder, atrás apenas da Ford.

 

Fonte: www.hemmings.com   SobreviventeO Chevrolet 490 da foto foi preservado por um colecionador norte-americano.

 

O preço

 

O diferencial do preço no Modelo 490 foi logo combatido pela Ford, que reduziu o valor cobrado pelo Modelo T, de 485 dólares para 440 dólares. Mas era tarde, o novo veículo da Chevrolet já tinha caído no gosto do público norte-americano.

 

O anúncio da Gazeta listava o preço do carrinho no Brasil (em São Paulo, salientava a propaganda). Ele era oferecido por 4.350 contos de réis, o que naquele tempo era o equivalente a cerca de 1.090 dólares.

 

Dessa forma, o Modelo 490 era vendido no mercado brasileiro por mais do que o dobro do preço praticado nos Estados Unidos, indicando que nossa sina de pagar bem mais pelos automóveis já vai completar cem anos... Veja abaixo um Chevrolet 490 em funcionamento.

 

YouTube Chevrolet 490

Siga-nos!